Evento cancelado em Patos de Minas vira caso de polícia

O Procon de Patos de Minas encaminhou, no dia 29 de setembro, à Polícia Civil, o ofício nº 20/2017/PROCON sobre possível crime contra consumidores da cidade. O órgão municipal recebeu inúmeras reclamações sobre o evento Deep Garden, que aconteceria no interior do Estádio Bernardo Rubinger de Queiroz, no dia 11 de agosto e que foi cancelado.

Os consumidores informaram que, após adquirirem os ingressos, o evento foi cancelado por seus organizadores e que, além de não justificarem o ato, também não procederam com o ressarcimento do dinheiro pago pelo convite. Ainda de acordo com as denúncias, a organização da festa, por diversas vezes, informou datas para o reembolso dos consumidores, mas até o presente momento, a devolução não foi efetivada.

Diante dos fatos, o Procon – Patos de Minas instaurou a investigação coletiva nº 02/2017, visando à resolução da situação. Num primeiro momento, o órgão de proteção e defesa do consumidor solicitou à diretoria do Esporte Clube Mamoré, onde o evento aconteceria, que fosse encaminhado o contrato de locação entre a entidade esportiva e os organizadores do evento, o que foi prontamente atendido. De posse do documento, o realizador da festa, que mora em Belo Horizonte, foi identificado.

O Procon encaminhou ao organizador da festa o Ofício nº 17/2017/PROCON solicitando que ele comparecesse à sede do órgão de proteção e defesa no dia 28 de setembro de 2017, às 15h, para que fosse apresentada uma solução pacífica sobre a questão. Porém, em que pese estar devidamente intimado, com assinatura no Aviso de Recebimento, o promotor de eventos não atendeu ao chamado.

Para o coordenador do órgão, Rafael Godinho Nogueira, a atitude demonstrou desrespeito. “A conduta abusiva por parte do promotor de eventos em face à coletividade dos consumidores motivou-nos a reportar a questão ao delegado regional, Luiz Mauro Sampaio, pleiteando que sejam tomadas as medidas judiciais cabíveis visando por termo às condutas ilegais e reparando os danos já experimentados”, esclareceu o coordenador do Procon.

Todo o processo de investigação realizado pelo órgão municipal, com mais de 100 páginas, foi entregue na Delegacia Regional de Patos de Minas para que se tomem as providências cabíveis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *