Regulamentação da profissão de gari é aprovada na Comissão de Assuntos Sociais (CAS), do Senado

De autoria do senador Paulo Paim, do PT gaúcho, o projeto regulamenta a profissão de agentes de coleta de resíduos, limpeza e conservação das áreas públicas – os chamados garis e margaridas. Segundo a proposta, a jornada de trabalho desses profissionais será de trinta e seis horas semanais e o piso salarial de R$ 1.850,00, corrigido anualmente. Para exercer a profissão, o trabalhador deverá ter concluído o quarto ano do ensino fundamental ou ter feito treinamento específico. Na avaliação do senador Paim, a proposta foi aprimorada pelo relator.


“É uma luta antiga dessa categoria para regulamentar a profissão do pessoal que nos ajuda na limpeza do dia a dia – eu diria – das nossas casas, porque a nossa casa é o planeta, e tudo aquilo que nós botamos na rua eles recolhem para manter a higiene, a saúde e a segurança do nosso povo.” enfatiza Paulo.


Ao defender melhores condições de trabalho aos garis, o relator senador Lucas Barreto, do PSD do Amapá, sugeriu a apresentação de outro projeto de lei que promova a conscientização sobre os vários tipos de materiais descartados.


Para Lucas, é importante “que o cidadão brasileiro tenha consciência de que lixo é uma coisa e material reciclável é outra. E o material reciclável, que tem valor, vai se transformar em salário, em renda, para essas pessoas que são humildes, mas são pessoas. É gente, é gente que faz a nossa sociedade. A gente está trabalhando para uma coisa simples: para dar dignidade às pessoas. E a dignidade é salário real e é condições de trabalho.”


A proposta segue agora para análise da Câmara dos Deputados.


No município de Coromandel, segundo o Recursos Humanos da Prefeitura, o salário base inicial de um gari é de R$1.254,60 com jornada de trabalho de 40h/semanais.

Texto: Rádio Senado/Jornal de Coromandel

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.