Abertura da 7ª Jornada do Patrimônio Cultural é realizada na Casa da Cultura de Coromandel

A Jornada do Patrimônio Cultural de Minas Gerais é uma ação promovida pela Secretaria de Estado de Cultura, por meio do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais – IEPHA/MG.

Tem por finalidade mobilizar municípios, entidades e agentes culturais para a realização de atividades que sensibilizem a sociedade para a promoção, valorização e preservação do patrimônio cultural.

Através do virtuosismo do coromandelense Abel Ferreira, considerado por muitos o maior clarinetista do Brasil, e do sabor incomparável do queijo de Coromandel, o município participa pela primeira vez desta grandiosa jornada.

A abertura do evento foi realizada nesta terça-feira (19), na Casa da Cultura de Coromandel.

Clique aqui para saber a programação completa da 7ª Jornada do Patrimônio Cultural, em Coromandel.

Um a um, os convidados e participantes foram chegando, apreciando as objetos presentes no acervo cultural de Abel Ferreira e sentindo o aroma inconfundível do queijo coromandelense. No palco, violeiros esbanjaram talento, emocionando a plateia. Todos os integrantes da orquestra participam do projeto “Viola é Cultura”, que conta com a participação de Dênio, músico e violeiro de renome nacional.

Palestras

O arquiteto urbanista Honório Nicholls Pereira, em sua brilhante palestra, viajou pelo passado até chegar aos dias de hoje, ressaltando a importância do patrimônio material e imaterial na vida de um povo.

Para falar sobre a produção do queijo mineiro artesanal, foi convidada a Técnica Regional da Emater, Leni Alves de Sousa. Brilhante em seu pronunciamento, ela fez questão de destacar a qualidade e o sabor do queijo fabricado no município de Coromandel.

A prefeita de Coromandel, Dione Maria Peres, em entrevista exclusiva ao Jornal de Coromandel, após o evento, explicou que a promoção e divulgação do patrimônio cultural são de fundamental importância para tornar mais efetiva a participação social e a gestão compartilhada das políticas de preservação.

Com relação à culinária, Dione Peres foi enfática: “Nosso objetivo ao aderir à política do IEPHA é difundir nossos patrimônios imateriais relacionados à culinária a toda a população, inclusive capacitando pessoas para produzirem esses alimentos. E nada mais original do que focar no queijo, patrimônio natural e cultural mais expressivo de Coromandel”, afirmou ela.

A 7ª Jornada do Patrimônio Cultural prossegue até o próximo dia 30 de agosto com várias atividades relacionadas ao Patrimônio Histórico e à Culinária coromandelense.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *