Polícia Federal faz operação contra fraude em vestibular da UFU

Desde a publicação do edital do Vestibular 2017/2, a Polícia Federal iniciou a Operação Aristoi (plural de “aristos”, que em grego significa o melhor), para evitar fraudes no processo seletivo.

Segundo o delegado Carlos Henrique Cotta D’Ângelo, as novas medidas de segurança se devem à identificação, no cenário nacional, da maior sofisticação e do aumento do número de casos de fraudes em processos seletivos, especialmente no último Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

“Desde já estamos em contanto direto com os organizadores do vestibular e também abertos com os nossos canais de denúncias para que processemos toda e qualquer informação que dê conta de algum ato atentatório à lisura do certame”, afirma o delegado. “Estamos também em contato com os produtores do material que vai ser entregue, para dar a garantia do sigilo e da integridade desse material, desde a gráfica da UFU até aqueles responsáveis pela guarda e transporte desse material”, completa.

Também faz parte do trabalho prévio da Polícia Federal observar os locais de aplicação de prova para verificar se há algum ponto vulnerável. Nos dias dos exames, a fiscalização será ainda mais intensa. “Estarão nos locais de prova tanto policiais caracterizados quanto descaracterizados. A função dos policiais descaracterizados é verificar qualquer movimento estranho que possa acontecer nos locais de prova, para poder fazer uma abordagem durante o procedimento. E os policiais ostensivos estarão ali para, inclusive, servirem de ponto de referência para qualquer candidato ou qualquer um da comunidade que tenha alguma reclamação a fazer ou indicação de alguma mácula ao processo”, explica D’Ângelo.

Após a aplicação, a Polícia Federal ainda auxiliará a UFU na guarda dos gabaritos, no acompanhamento da correção e no recebimento e apuração de denúncias.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.