Formação de Guerreiros: lutadores de Coromandel superam dramas por meio das artes marciais

Coromandel TV2

Danilo Gonçalo, de Coromandel

Os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos Rio 2016 trouxeram exemplos de atletas que superaram dramas pessoais e até problemas físicos para brilhar no esporte. Essas histórias, contudo, não se limitam aos personagens que ganham espaço na TV. O espírito esportivo também tem ajudado muitos atletas de Coromandel a lidar com dificuldades do convívio social.

Maysa Kelly Oliveira é um exemplo de que a prática de atividades esportivas pode contribuir para uma mudança de vida. A atleta coromandelense é uma das mais ativas da turma de jiu-jitsu da academia Centro de Formação de Guerreiros, de José Carlos de Melo Matias, o mestre Serpente.

guerreiros-maisa
Maysa Oliveira: roceira, dona de casa, mãe e lutadora

Maysa sofreu durante um tempo com o abuso de drogas como álcool e outras ilícitas até encontrar um refúgio nas artes marciais. Após um período de internação em uma clínica de reabilitação para dependentes químicos, passou a treinar jiu-jitsu. O esporte a ajudou a superar ainda a perda do marido, há dois anos.

“Hoje eu sirvo de exemplo. O esporte me dá força para continuar. Mais do que tudo, o jiu-jitsu mudou minha vida, me deixa longe das coisas ruins, do álcool, das drogas e da vida desregrada. Amo de paixão. Comecei por necessidade e continuo por amor à arte”, diz a lutadora.

O que surpreende na história de Maysa, contudo, não é seu apreço pela arte marcial ou o fato muito relevante de ter superado o envolvimento com drogas. Soma-se a tudo isso a idade dela, 41 anos, e sua atividade profissional: roceira. Morando e trabalhando na zona rural, ela encara a rotina laboral e de dona de casa durante o dia, antes de se dirigir ao centro de Coromandel para treinar.

A atleta explica que o esporte que pratica contribui para ‘manter o gás’ e recomenda, inclusive, para outras mulheres que querem a modalidade para manter corpo e mente saudáveis: “o jiu-jitsu me acalma, me traz paz interior, trabalha respiração, dá serenidade e, pelo lado estético, é bom para definir abdome, perna, bumbum, fica ‘bem durinha’”.

Disciplina

guerreiros-bruno
Bruno Eurípedes Ramos: considera a medalhista olímpica Rafaela Santos um exemplo de vida

Bruno Eurípedes Ramos começou nas artes marciais ainda novo, aos 13 anos, como uma forma para superar o perfil “brigão” e aprender sobre disciplina. Com o passar da idade, Bruno cedeu aos amigos “errados” e teve um envolvimento com pessoas que mexiam com drogas. “Procurei o esporte para sair desse mundo”, conta o lutador.

Hoje aos 22 anos, Bruno revela que durante o período de instabilidade pode contar com o mestre para colocá-lo de volta no caminho correto. “Ele já foi me buscar em lugares errados para me trazer para a academia”, lembra o atleta, que encontra na campeã olímpica Rafaela Silva (medalha de ouro no Rio 2016) um exemplo para a vida.

A experiência com o esporte o faz querer replicar as ações de seu mestre. “Meu sonho é abrir uma academia como ele (Serpente), fazer esse trabalho que ele faz. Não é todo mestre que vai buscar o aluno na rua e dá conselhos”, justifica.

Rumo ao UFC

guerreiros-lucas-cobra
Lucas Cobra; quer ser o primeiro coromandelense no UFC

“Gordinho” na infância, Lucas Eurico da Silva é um dos grandes destaques da equipe do mestre Serpente. Com a alcunha Lucas Cobra, o atleta superou o sedentarismo e segue em busca de um objetivo: ser um atleta do Ultimate Fighting Championship (UFC), franquia de Artes Marciais Mistas (MMA) mais famosa do planeta.

Aos 22 anos, o lutador acumula 13 vitórias nos 18 confrontos que teve. Agora, se aproxima de seu desafio maior. Encarar um rival que está cotado para entrar no UFC: “quem sabe não pego a vaga dele”, afirma confiante o jovem Cobra.

O lutador coromandelense se espelha em José Aldo, um dos maiores atletas da história do UFC e que, assim como Cobra, passou por experiências difíceis na infância. “Estou seguindo o caminho certo, treinando muito e focado, com disciplina e respeito nos treinos. Estou me preparando para quem saber ter uma oportunidade de lutar lá”, conclui.

Formador de Guerreiros

guerreiros-mestre
Mestre Serpente: usa a academia para resgatar pessoas

O coromandelense José Carlos de Melo Matias conheceu as lutas esportivas há 30 anos. Começou com a capoeira, passou por jiu-jitsu, muay thai e artes marciais mistas, nas quais se profissionalizou e especializou até se tornar o Mestre Serpente.

Assim como os alunos, Serpente buscou o esporte para fugir da vida de crimes e drogas. “Quando comecei no esporte foi porque eu era envolvido com pessoas que mexiam com coisas erradas. Procurei o esporte para sair desse mundo errado”, diz.

As experiências ruins não foram capazes de tirar a determinação de “guerreiro”. “Isso contribuiu para estar aqui. Resgatei muitos jovens que estavam afundados nas drogas”, afirma o mestre em artes marciais.

Atualmente, José Carlos mantém uma academia onde ensina suas técnicas esportivas e realiza um trabalho social, onde atende dezenas de crianças e jovens carentes. Com a equipe Snake Tiger, leva o nome de Coromandel por diversas cidades, onde disputa cinturões, troféus e medalhas, que já lotam as poucas estantes que compõem o cenário da academia.

Para manter o projeto social e continuar a resgatar as pessoas que precisam de ajuda para se livrar da criminalidade e das drogas, mestre Serpente busca patrocínios. Enquanto não tem ajuda, ele tira do próprio bolso os recursos necessários para que as crianças carentes possam ter seus próprios quimonos, por exemplo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *